domingo, 8 de maio de 2011

Amiga da cegonha

“Saiba,
Todo mundo teve mãe
Índios, africanos e alemães
Nero, Che Guevara, Pinochet
e também eu e você.”

Assim fala a canção composta por Arnaldo Antunes. E é uma verdade incontestável, todos tiveram mãe. Tal como um lavrador faz com suas sementes, jogando-as na terra, regando, podando, tentando manter longe todas as pragas, para que cresçam e deem bons frutos. Nossas mães nos alimentam, educam, tentam nos manter a salvo de tudo o que o mundo pode nos fazer, buscando sempre que sejamos fortes e dêmos bons frutos.
Muitos de nós, assim como eu, ainda tem a mãe por perto e, sou sincero em dizer, mesmo com todas as brigas, não sei o que seria, ou onde estaria hoje, não fosse por minha mãe. Não é exagero, tive uma infância repleta de problemas de saúde, ela, em momento nenhum, deixou de lutar até que eu me restabelecesse.
Sou muito grato a minha mãe por tudo, pelas noites em claro, me ouvindo chorar [desde cedo minha goela causava o caos], cuidando das minhas feridas. Ainda hoje me conforta, me diz para ter calma nos momentos em que minha razão sai pra passear.
Por esses e por outros tantos motivos, que as parabenizo [minha mãe, minhas irmãs e, todas as mulheres que, mesmo não tendo concebido seus filhos, os criam], por este dia, o dia delas. Estendo as felicitações aos homens que são ao mesmo tempo pais e mães.
Sem querer querendo cairei no clichê, um dia apenas é pouco para agradecer. Abrace, beije, agradeça sua mãe todos os dias, diga a ela o quanto a ama.
Aproveitando o momento, Te amo, mãe!

Junior Gros.